Início » Reportagens Especiais » As duas trocas que esquentaram o draft da NHL

As duas trocas que esquentaram o draft da NHL

Schneider vai e Luongo fica em Vancouver (Crédito: AP Photo/Charles Krupa)

Assim como na NFL e na NBA, o draft da NHL não é um evento onde as atenções ficam restritas ao calouro. A escolha de número um, naturalmente, é a estrela da noite, mas não são apenas os jogadores juvenis que movimentam o mercado. Na busca por seleções deste e de próximos drafts e com contratos por vencer, os gerentes-gerais das equipes, muitas vezes, envolvem outros jogadores nas negociações do dia. Neste domingo (30), duas dessas trocas chamaram atenção.

A primeira e de maior destaque é a ida do goleiro Cory Schneider para o New Jersey Devils. Schneider foi trocado pelo Vancouver Canucks por uma escolha de primeira rodada, a nona no geral, que se tornou o central canadense Bo Horvat.

Era natural que a situação de dois bons goleiros se tornasse insustentável em Vancouver. Apesar de seus históricos de falhas em jogos decisivos, Roberto Luongo e Cory Schneider tinham cacife para pedir o posto de titular. Mesmo com o marketing e os vídeos de brincadeiras com a “rivalidade sadia” entre os dois goleiros, ambos pleiteavam a titularidade. Luongo tem uma história com a franquia, da qual chegou a ser capitão informal, com direito a um C em sua máscara — e nenhum dos patinadores usando a letra no ombro, além, claro, de um longo contrato. Mas sua permanência em Vancouver já vinha sendo questionada há algum tempo. No começo desta meia-temporada, por exemplo, o jornal Vancouver Sun cravou que Schneider ficaria e Luongo seria trocado.

No entanto, há algo que força a permanência de Luongo, e isso tem a ver com o tal C que por algum tempo esteve em seu capacete: o goleiro chegou, em 2006, para ser o “jogador da franquia”, aquele atleta que por muito tempo defende o time e fica com a cara dele. Como o próprio Vancouver já teve em Trevor Linden e Markus Naslund. O contrato de Luongo vai até 2022. Seria caro comprá-lo, assim como é caro para que alguma franquia aceite recebê-lo. Claro, há sempre a possibilidade da rescisão amigável, com a qual Luongo, pelo bem dos Canucks, talvez aceitasse.

Mas o diretor esportivo Mike Gillis é o pai desta criança. Não foi Gillis quem trouxe Luongo, e sim o gerente anterior, Dave Nonis. Mas foi ele quem bancou Lou e o atribuiu o posto de capitão informal. Gillis acreditava no papel de Luongo enquanto um líder, e talvez ainda acredite. E foi Gillis quem, em 2009, estendeu seu contrato em 12 anos.

Luongo fica. Que possa, agora, olhar para Schneider e, especialmente, aquele a quem Schneider deve substituir no New Jersey Devils: Martin Brodeur. Em seu último ano de contrato, o velho diabo deve se aposentar. Mas representa para os Devils tudo que Luongo deveria representar para os Canucks, quando veio em 2006, quando ganhou o posto de capitão, quando teve seu contrato prolongado por 12 anos.

A outra troca teve grande destaque principalmente pelo momento. Há uma semana, Dave Bolland marcou o gol do título do Chicago Blackhawks, na mais emocionante virada da história das finais da Stanley Cup. Naquela noite, Bolland seria facilmente eleito Governador de Illinois e, ao longo dos dias, torcedores mais fanáticos devem ter batizados seus filhos recém-nascidos com seu nome. No domingo seguinte, de repente, o herói Bolland é trocado para o Toronto Maple Leafs por uma escolha de segunda rodada (a 51ª, que virou o defensor sueco Carl Dahlstrom) e uma de quarta (a 117ª, o goleiro sueco Fredrik Bergvik), mais uma escolha de quarta rodada para o draft de 2014.

Bolland apenas sentiu o golpe do esporte moderno. São negócios, e números como contratos e suas cifras, às vezes, pesam tanto quanto gols e assistências. Com uma liga de 30 times e tantas contas a pagar, o posto de jogador de franquias está cada vez mais raro, e em Chicago a prioridade é de Jonathan Toews, Patrick Kane e Patrick Sharp, além de Duncan Keith e Marian Hossa, com seus contratos até 2020. É pesado ter qualquer preferência diante desses termos. Cory Schneider, em mudança de Vancouver para Newark, que o diga.

 

Fonte: Extratime

 

Gosta de Esporte? Faça seu Cartão de Visita com temas esportivos, acesse www.printbros.com.br 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: